Seguidores

Translate

A SEU DISPOR

COMO NÃO PODERIA DEIXAR DE SER É SEMPRE UM PRAZER TELO AQUI , POIS, A NOSSA MISSÃO É; CONTRIBUIR PARA O SEU MINISTÉRIO, SE ALGO QUE VOCÊ PRECISA NÃO FOI ENCONTRADO OU NÃO É EXATAMENTE COMO ESTÁ AQUI.
ENTRE EM CONTATO CONOSCO ATRAVÉS DO E-MAIL DO
CONEXÃO TEEN conexaoteen.asr@gmail.com SERA UM PRAZER PODER AJUDAR.

CONEXÃO TEEN

Pesquisar este blog

sábado, 22 de outubro de 2011

A MELHOR ESCOLHA

Uma mulher regava o jardim de sua casa quando três idosos passaram em frente à sua casa, aparentemente, com sede.
Ela lhes disse: "Por favor entrem em minha casa, vou lhes dar um copo de suco".
Um deles perguntou:
- O homem da casa está ?
- Sim, respondeu ela, ele está.
- Ok, mas somente um de nós pode entrar.
- Por que, perguntou ela.
Um dos homens apontou para outro dos seus
amigos e explicou:
- O nome dele é Riqueza, o nome deste outro aqui é Sucesso e eu sou o Amor.

Decida com o seu marido qual dos três vocês querem que entrem.
- Vamos convidar a Riqueza, disse o marido.
- Querido, por que não convidamos o Sucesso?

A filha do casal estava escutando tudo e veio correndo a dizer:
- Não seria melhor convidar o Amor, nosso lar ficaria tão melhor.
- Vamos escutar o conselho de nossa filha, disse o esposo à sua mulher.
Vá lá fora e convide o Amor para entrar.

O Amor entrou na casa e começou a andar por ela.Logo depois, os outros dois também entraram.
A mulher lhes perguntou:
- Eu havia entendido que só um podia entrar.

Os homens responderam juntos:
- Se tivessem convidado a Riqueza ou o Sucesso os outros dois permaneceriam lá fora, mas já que convidaram o Amor, aonde ele vai, nós vamos com ele, pois onde houver amor, há condições para Riqueza e Sucesso.


O amor jamais acaba.
I Coríntios 13.8

Autor JESUS CRISTO

domingo, 31 de julho de 2011

ESPAÇO TEEN EM AÇÃO - PANORAMICO PAROBÉ


É com muito prazer que eu venho agradecer o convite feito a mim para pregar na igreja do Panorâmico em Parobé no encerramento da semana da Saúde e da Família.



Com isso me deu a oportunidade de conhecer o Espaço Teen da igreja do Panorâmico.



É essa galera bonita ai em baixo









Um abraço a Jaqueline, Rejane, Barbara, Tauana, Erinaldo (que é o diretor do Espaço Teen), Hudson, Maninho, Edinho, Gabriel e o Jackson.


 Esta coisa linda ai em cima é o Viktor, calma ele não é adolescente, mas é filho da Débora e do Cleodon que me receberam para o almoço( diga-se de passagem nunca tinha comido yakisoba mas se todos forem como o da Débora, virei fã)e me proporcionaram uma tarde de sábado muito agradável na qual eu pude registrar os dons musicais do Victor confira abaixo


video
E também gostaria de mandar um abraço para a Barbara e a Brenda que são filhas do casal,e
a todos os irmãos da igreja do Panorâmico um grande abraço e que Deus em sua infinita graça continue a os abençoar.

sábado, 19 de março de 2011

ENTENDENDO O SEU PAPEL


O PROFESSOR DA ESCOLA SABATINA

Uma Sagrada Missão
A Escola Sabatina nunca será melhor do que os seus professores. Daí, portanto, a necessidade de escolhê-los bem e prepará-los convenientemente para a sua sagrada função.
Não há dúvida de que alguns já nascem com maior talento para o ensino do que outros. Entretanto, é minoria. A maior parte dos professores de êxito se fizeram através de esforço perseverante, disciplina e estudo. Isto equivale a dizer que qualquer indivíduo pode ser um bom professor, se estiver disposto a pagar o preço.
O Professor Precisa Não Apenas Saber, Mas Ser.
O que ele é tem até mais valor do que o que sabe. Ele deve ensinar pelo que diz, pelo que faz, e principalmente pelo que é.
Deve Manter Comunhão Habitual com Deus.
Isso através do estudo da Sua Palavra, da oração e do testemunho. “Se sois chamado a servir como professor, sois chamados a ser também um discípulo”.– Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, pág. 179.
O Professor Deve Ter Amor Pelas Almas.
“Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus, e conhece a Deus. Aquele que não ama, não conhece a Deus, porque Deus é amor”.– I João 4:7 e 8.
Ser Fiel à Doutrina.
Ele deve expor a lição segundo os ensinos doutrinários da Igreja, e não segundo suas próprias opiniões.
Freqüentar a Classe dos Professores.
É importante que os professores da Escola Sabatina se reúnam, a fim de recapitularem juntos a lição da semana. Isso promove o entrosamento entre os professores e a unidade doutrinária, além de servir de auxílio aos novos professores. Pode-se fazer uma escala entre os professores para a recapitulação da lição. O responsável pela lição deve estar bem preparado e, se possível, deve preparar um resumo que poderá ser usado pelos demais.

O Preparo da Lição

Deve começar no sábado à tarde, com uma vista geral de seu conteúdo e uma recapitulação diária durante a semana. Assim a lição se fixará de modo indelével na memória do professor e lhe dará tempo e oportunidade de extrair lições espirituais. Normalmente, um professor bem-sucedido dedicará de 3 a 5 horas de preparo durante a semana.
Esse preparo deve incluir não só o estudo da lição em si, com a conseqüente pesquisa das respostas na Bíblia, mas também as fontes adicionais, como livros do Espírito de Profecia, dicionários, concordâncias, comentários bíblicos, sites da Internet, etc.
Depois que o professor dominar todo o material e tiver uma compreensão clara do assunto da lição, deverá determinar o objetivo particular da aula e se perguntar: “Para que foi escrita esta lição? Que se pode conseguir com ela? Que resultado espiritual poderá ser alcançado na vida dos alunos?”?
Para que a lição possa ser aplicada adequadamente às necessidades dos alunos, é importante que o professor os conheça bem.

Apresentação da Lição

O professor deve apresentar-se na classe confiantemente, certo de que todos vão desfrutar desse período de estudo. Se ele se revelar hesitante e temeroso, deixará uma impressão desfavorável sobre a classe.
Para quebrar o gelo inicial, ele pode perguntar a um e outro aluno se teve alguma experiência marcante durante a semana. Em seguida, deve anunciar o título do estudo, fazer uma breve introdução e passar diretamente para os pontos principais. Se o professor não receia perder-se, pode perguntar a vários alunos qual o ponto que mais lhes chamou a atenção na lição, e então partir dessas contribuições para os seus comentários pessoais, o que tornará a classe dinâmica e participativa.

Fazendo Perguntas

Uma das qualidades mais valiosas que um professor pode adquirir é a arte de fazer perguntas. As perguntas forçam os alunos a pensar, mostram o que eles sabem, prendem a atenção e estimulam a participação. Daí a importância de saber formulá-las. As perguntas podem ser de natureza geral, em que qualquer aluno pode responder.
Certas pessoas estão sempre prontas a responder o que lhes é perguntado. Outras, não gostam de ser apontadas publicamente para responderem alguma coisa. O professor prudente deverá respeitar essas características pessoais de seus alunos ou perderá a presença deles.

O Uso de Ilustração

Um professor dinâmico sabe escolher ilustrações apropriadas para tornar clara uma verdade. Não se deve contar uma história sem motivo, ou só porque ela é divertida. É preciso que ela ajude a esclarecer o assunto.
Jesus extraía Suas ilustrações da Palavra de Deus, da natureza e da vida. “Em parábolas e comparações Ele encontrou o melhor método para comunicar verdades divinas. Em linguagem simples, usando figuras e ilustrações tiradas do mundo natural, Ele descerrava a verdade espiritual a Seus ouvintes e expunha preciosos princípios que se teriam apagado da memória deles, sem quase deixar vestígio, se Ele não houvesse relacionado Suas palavras com emocionantes cenas da vida, experiência ou natureza.” – Fund. Educação Cristã, pág. 236.
Utilize poucas e boas ilustrações, que sejam simples e compreensíveis ao aluno.
Encerre sempre a lição de modo positivo, com uma aplicação prática do tema principal, e expressando sua confiança na direção de Deus.
Unidade de Ação: Um Ambiente Familiar
O Professor deve transformar a Unidade de Ação num ambiente afetuoso e terno. É importante considerar o exemplo de Jesus. Ele se referia aos Seus discípulos como Minha mãe e Meus irmãos. “O amor de Jesus os mantinha unidos, apesar das divergências” - O Desejado de Todas as Nações, pág. 646.
O professor pode transformar a Unidade num lugar onde não apenas se estuda a Lição, mas se partilha sentimentos, se encontra encorajamento e apoio através da amizade, oração e estudo da Bíblia, e onde se dá testemunho de como Deus Se revela diariamente.
Como ele pode conseguir isso?
Criar um Clima Familiar na Unidade – Ele precisa conhecer seus alunos, seus anseios, preocupações, dificuldades, preferências individualmente. A fim de ter um conhecimento mais aprofundado das pessoas de sua classe, o tempo em classe não é suficiente. Ele precisa programar visitas informais a todos eles. Este é o melhor método para quebrar o gelo, estreitar laços e conhecer as pessoas.
O aspecto mais importante do ensino é a relação de amor. O isolamento, a formalidade e a frieza que existem em algumas classes são responsáveis pela grande ausência dos membros da Escola Sabatina.
Demonstrar Interesse pela Vida do Aluno Preparar uma lista completa com nome, data de nascimento e endereço de todos os seus alunos, e mantê-la atualizada. Isso é de suma importância, pois assim você terá as informações necessárias para a realização das visitas.
Usar o cartão da Escola Sabatina adequadamente; não apenas por razões estatísticas. Sabiamente usados, eles fornecem sugestões sobre como demonstrar interesse pelas pessoas. Eles fornecem informações sobre quem está presente, quem não veio, e quem são as visitas.
Envolver-se Com os Alunos Organizar atividades sociais que envolvam a todos. Muitas pessoas hoje são membros batizados porque sua primeira festa de aniversário foi realizada na Escola Sabatina. Isso fez a diferença.
Atender os Alunos Ausentes Não esqueça de visitar os alunos ausentes. Além disso, faça um cartão em nome de todos os seus alunos e que expresse os sentimentos da classe acerca do aluno faltoso, e entregue-o pessoalmente. Ajude aquela pessoa que está passando por momentos difíceis de doença na família, ou que perdeu um ente querido, ou que passa por algum outro problema.
Amar é Dar Atenção - Dirija-se aos seus alunos de forma pessoal. Isso ajuda a criar um clima e a formar uma “classe familiar”. Faça comentários do tipo: “Ana, sua mãe já saiu do hospital?” “Marcos, que bom vê-lo de volta das férias. Como foi de viagem?” “Visitei a Neila. Sua filhinha esteve hospitalizada, por isso não tem estado conosco. Vamos orar pela saúde de sua filha. Quem poderia visitá-la hoje à tarde?” “O Roberto perdeu o emprego. Vamos orar por ele e ajudá-lo nessa busca. Ele é contador, se alguém souber de alguma vaga nessa área é só informá-lo. Seu telefone é...”
Essa é a espécie de atenção que torna a classe uma verdadeira família. Os alunos são autênticos e abertos entre si, porque há confiança e isso permite compartilhar sentimentos em um nível mais profundo.

O Professor e o Ensino

Ensinar é a própria razão de ser da Escola Sabatina, cujo objetivo é levar as pessoas para mais perto de Cristo e torná-las mais semelhantes a Deus no caráter. É claro que para alcançar esse objetivo não se pode confundir “ensinar” com “informar”. Mais do que a aquisição de conhecimento é a mudança de atitude que indica que o objetivo foi alcançado.
Todos Podem Aprender a Ensinar - Poucas pessoas têm o “dom” de ensinar, mas todas podem aprender e utilizar as “técnicas” do ensino ou métodos mais eficientes.
Ensinar a Verdade de Forma Atrativa - As verdades devem ser apresentadas de uma forma tão atrativa e interessante que os alunos que participam do estudo se entusiasmem cada vez mais não só com o conhecimento, mas principalmente com a aplicação à sua vida.
Evitar o Discurso – Apesar desse método já ter sido muito utilizado na Escola Sabatina, não é o correto.
“Não é o melhor plano falarem os professores, unicamente, mas devem levar a classe a dizer o que sabe. Então, com umas poucas observações ou ilustrações claras e breves, deve o professor gravar-lhes na mente a lição.” – Ellen G. White, Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 115.
Método Participativo - Esse é o método ideal. O professor apresenta os pontos principais através de perguntas-chave, atrai a atenção e estimula a participação dos alunos. Os alunos pensam e se expressam trocando idéias e participando do estudo.
“As palavras são mais que um indício do caráter; têm poder de reagir sobre o caráter. Os homens são influenciados por suas próprias palavras”.– Ellen G. White, Mente, Caráter e Personalidade, vol. 2, pág. 575.

COMO PREPARAR A LIÇÃO

Grande parte dos professores de escola sabatina tem dificuldade de preparar a lição de forma enxuta e atrativa, este post tenta dar uma força.
Note, a intenção não é, de forma alguma, lhe ensinar a preparar a lição mas, sistematizar o preparo facilitando esta importante tarefa.


Como preparar e apresentar a lição.
“O orador deve conhecer dez vezes mais do que vai falar. Então ele deixa a impressão de que ainda há grande estoque em reserva, e que somente deu uma ligeira amostra do que possuía.” Ensinando os Juvenis pag. 155
1. Faça uma boa e bem planejada Introdução:
- Um começo estimulante cria interesse pelo estudo e prende a atenção dos alunos.
- Faça uma breve descrição da lição. Diga, em poucas palavras, do que se trata.
- Mencione os objetivos da lição da semana. Considere os objetivos sugestivos que se encontram no material suplementar para o professor.
- Faça uma pergunta, conte algo relacionado com a lição, inicie o estudo através de uma atividade que deve envolver e captar o interesse da classe. Faça os alunos se mexerem. O professor deve ganhar e manter o interesse da classe, do contrário, é tempo perdido.
2. Busque envolver os estudantes na discussão da lição:
- Não explanar a lição em forma de discurso ou sermão e falando em voz alta, porém dialogando brandamente.
- Evitar a monotonia e a recitação.
- Formule perguntas inteligentes que façam seus alunos, pensarem.
- Escolha uma atividade de aprendizagem do auxiliar de professores que mais se adaptar a sua classe.
“Não é melhor plano falarem os professores unicamente, mas deve levar a Classe a falar o que sabe. Então, com umas poucas observações ou ilustrações claras e breves, deve o professor gravar-lhes na mente a lição.” CPPE, 115 e 116
- Sob a direção de professores sábios, os alunos tomarão mais interesse pela Palavra de Deus. O “pesquisando o texto bíblico” é uma ótima opção para que os alunos tenham uma visão mais profunda das Escrituras.
- O professor não deve limitar-se a repetir as palavras da lição, mas precisa estar familiarizado não só com as palavras, mas com as idéias.
- Há um hábito muito prejudicial ao aprendizado da lição, que é o de fazer comentários vazios, destituídos de conteúdo prático e relevante.
- Encorajar a participação dos membros no estudo da lição.
- Leve perguntas, antecipadamente formuladas: lembre-se que as melhores são aquelas que fazem o aluno pensar, refletir o assunto. Não tenha medo de ser polêmico, está é a hora de mexer com a cabeça deles.
3. Apresentar a lição de maneira atrativa.
- Ensine por meio de ilustrações e experiências simples, como Jesus fazia. Lembre-se: a melhor abordagem é aquela centrada no viver diário.
- Fazer uma aplicação pessoal de cada tópico à vida e experiências diárias dos alunos.
- Use uma linguagem que todos possam entender. Deixe em casa todos os termos difíceis e elevados.
4. Atingir em cheio o alvo da lição, dando ênfase aos objetivos que se encontram no início do auxiliar:
- Abranger os pontos principais da lição dentro do tempo designado. Não se demorar mais do que o necessário em um ponto, deixando os demais sem comentários ou aplicação.
- Seguir o rumo certo da lição, não divagando ilustrações ou pensamentos desconexos.
- Planeje o seu tempo cuidadosamente.
5. Faça um apelo:
- O último objetivo do estudo da Bíblia é colocar em prática o que se aprendeu. Se você fizer uma maravilhosa explanação mas não fizer um bom apelo final, a lição fica perdida. Todos devem ser levados à decisão de mudar sua vida. Fale ao coração dos alunos, leve-os a tomar uma decisão ao lado de Cristo. Todo apelo deve ser orientado nessa direção.
Tendo em conta os pontos anteriores, elabore um simples PLANO DE ENSINO:
Título da Lição ________________________________________________________________
Esta semana, nós estudamos acerca de (resumir em apenas uma frase)
_____________________________________________________________________________
Os objetivos deste estudo foram (com suas próprias palavras):
1- ___________________________________________________________________________
2 - ___________________________________________________________________________
3- __________________________________________________________________________
Ilustração ou pergunta para captar o interesse inicial da classe:
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Perguntas para envolver meus alunos na discussão:
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Textos Bíblicos ou citações do Espírito de Profecia que respondem essas questões (Anote apenas as referências):
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Aplicações à vida dos alunos:
1- ___________________________________________________________________________
2- ___________________________________________________________________________
3- ___________________________________________________________________________
Apelo:
Quero que meus alunos respondam a este estudo, fazendo o seguinte:
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

sexta-feira, 18 de março de 2011

JUGO DESIGUAL


“Corações Divididos”
Do capítulo “Casamentos Proibidos” do livro O Lar Adventista, pág. 61-69
[Evangelismo do Namoro: Por Quê é Tão Perigoso? – Antes de ler o artigo abaixo, procure na Bíblia e estude os seguintes textos: II Cor. 6:14-7:1; Deut. 7:1-4; Gen. 24:3; Exo. 34:12-16; Núm. 25:1-3; I Reis 3:1 e 2; 11:1-6; I Cor. 7:39; I Cor. 7:10-16;Amós 3:7; 5:10; Mal. 2:11 e 12. Agora continue a leitura.]
Casamentos de Cristãos com Descrentes – Há no mundo cristão uma assombrosa, alarmante indiferença para com os ensinos da Palavra de Deus acerca do casamento de cristãos com descrentes. Muitos que professam amar e temer a Deus preferem seguir a inclinação de seu próprio espírito, em vez de tomarem conselho com a Sabedoria Infinita. Em uma questão que interessa vitalmente à felicidade e bem-estar de ambas as partes, para este mundo e o porvir, a razão, o juízo e o temor de Deus são postos de parte, permitindo-se que domine o cego impulso, a obstinada determinação.
Homens e mulheres de outro modo sensatos e conscienciosos, fecham os ouvidos aos conselhos; são surdos aos apelos e rogos de amigos e parentes, e dos servos de Deus. A expressão de um aviso ou advertência é considerada impertinente intromissão, e o amigo que é fiel bastante para pronunciar uma admoestação, é tratado como inimigo. Tudo isto é como Satanás deseja. Ele tece seu encanto em volta da alma, e esta se torna enfeitiçada, apaixonada. A razão deixa cair as rédeas do domínio próprio sobre o pescoço da concupiscência, a paixão não santificada toma o domínio até que, demasiado tarde, a vítima desperta a uma vida de miséria e escravidão. Não é este um quadro traçado pela imaginação, mas apresentação de fatos. Deus não dá Sua sanção a uniões que Ele proibiu expressamente.
São Positivos os Mandamentos de Deus – O Senhor ordenou ao Israel antigo a não se intercasarem com as nações idólatras ao seu redor: “Nem te aparentarás com elas; não darás tuas filhas a seus filhos, e não tomarás suas filhas para teus filhos”. É dada a razão para isso. A Infinita Sabedoria, prevendo o resultado de semelhantes uniões, declara: “Pois fariam desviar teus filhos de Mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do Senhor se acenderia contra vós, e depressa vos consumiria”. “Porque povo santo és ao Senhor teu Deus; o Senhor teu Deus te escolheu para que Lhe fosses o Seu povo próprio, de todos os povos que sobre a Terra há”...
No Novo Testamento existem proibições semelhantes acerca do casamento de cristãos com ímpios. O apóstolo Paulo, em sua primeira carta aos coríntios, declara: “A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas, se falecer o seu marido, fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor”. De novo, em sua Segunda epístola, escreve: “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo. Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo e Eu vos receberei; e Eu serei para vós Pai e vós sereis para Mim filhos e filhas diz o Senhor Todo-Poderoso.”
A maldição de Deus impende sobre muitas das ligações inoportunas e impróprias que são formadas nesta época do mundo. Se a Bíblia deixasse estas questões vaga e incertamente esclarecidas, então o caminho que muitos jovens de hoje estão seguindo em seus apegos uns aos outros seria mais desculpável. Porém as reivindicações da Bíblia não são meias injunções; requerem perfeita pureza de pensamento, de palavra e de ação. Somos gratos a Deus porque Sua Palavra é uma luz para os nossos pés, e ninguém se precisa enganar com a vereda do dever. Os jovens devem tornar sua ocupação o consultar-lhe as páginas e dar ouvidos aos seus conselhos, pois cometem-se sempre lamentáveis erros apartando-se de seus preceitos.
Deus Proíbe que Crentes se Casem com Descrentes – Nunca se deve o povo de Deus aventurar em terrenos proibidos. O casamento entre crentes e descrentes é proibido por Deus. Mas demasiadas vezes o coração não convertido segue seus próprios desejos, e formam-se uniões matrimoniais não sancionadas por Deus. Por isso muitos homens e mulheres se acham sem esperança e sem Deus no mundo. Mortas se acham suas nobres aspirações; por uma cadeia de circunstâncias, acham-se presos na rede de Satanás. Os que são dominados pela paixão e os impulsos terão amarga colheita a ceifar nesta vista, e sua direção pode dar em resultado a perda de sua alma.
Os que professam a verdade espezinham a vontade de Deus desposando incrédulos; perdem-Lhe o favor, e fazem dura a obra do arrependimento. O incrédulo poderá ser dotado de excelente caráter moral; o fato, de que ele ou ela não atendeu às reivindicações de Deus, e negligenciou tão grande salvação, é razão suficiente para que se não consume tal união. O caráter do incrédulo talvez seja semelhante ao do mancebo a quem Jesus dirigiu as palavras: “Uma coisa te falta”; aquilo era a coisa necessária.
O Exemplo de Salomão – Há homens pobres e obscuros cuja vida Deus aceitaria e tornaria cheia de utilidade na Terra e de glória no Céu, mas Satanás está operando persistentemente para derrotar Seus desígnios e arrastá-los à perdição mediante o casamento com pessoas cujo caráter é de tal natureza que eles como que se lançam diretamente atravessados na estrada da vida. Bem poucos saem vitoriosos desse emaranhado.
Satanás bem sabia os resultados que se seguiriam à obediência; e durante os primeiros anos do reinado de Salomão – anos gloriosos por causa da sabedoria, beneficência e retidão do rei – ele procurou introduzir influências que haviam de minar insidiosamente a lealdade de Salomão aos princípios e fazê-lo separar-se de Deus. E que o inimigo foi bem sucedido nesse esforço, sabemos pelo relato: “E Salomão se aparentou com Faraó rei do Egito; e tomou a filha de Faraó, e a trouxe à cidade de Davi”.
Formando aliança com uma nação pagã, e selando o pacto pelo casamento com uma princesa idólatra, rejeitou Salomão temerariamente as sábias providências que Deus fizera para manter a pureza de Seu povo. A esperança de que essa esposa egípcia se convertesse não foi senão uma fraca desculpa ao pecado. Em violação de um positivo mandamento de permanecer separado de outras nações, o rei uniu sua força com o braço da carne. [Sublinhado nosso].
Por algum tempo, em Sua compassiva misericórdia, Deus dominou esse terrível erro. A mulher de Salomão se converteu; e o rei, por uma sábia direção, poderia Ter feito muito para combater as forças do mal que sua imprudência pusera em operação. Porém Salomão começou a perder de vista a Fonte de seu poder e glória. A inclinação tomou ascendência sobre a razão. À medida que crescia as confiança em si mesmo, ele procurou cumprir os desígnios do Senhor ao seu próprio modo... [Sublinhado nosso].
Muitos professos cristãos pensam, como Salomão, que se podem unir com os descrentes porque sua influência sobre os que se acham no erro será benéfica; mas muitas vezes eles próprios, enredados e vencidos, cedem sua fé sagrada, sacrificam os princípios e separam-se de Deus. Um passo em falso induz a outro, até que afinal eles se colocam onde não podem esperar romper as cadeiras que os prendem.
A Desculpa – “é Favorável à Religião” – Alega-se por vezes que o incrédulo é favorável à religião, e é tudo quanto se poderia desejar para um companheiros, a não ser uma coisa: não ser cristão. Se bem que o melhor discernimento do crente lhe sugira ser inconveniente unir-se para toda a vida com uma pessoa que não partilha da fé, todavia, em nove casos em cada dez, triunfa a inclinação. O declínio espiritual começa no momento em que se proferem os votos no altar; o fervor religioso é arrefecido, e vão sendo derribadas uma após outra as fortalezas, até que se encontram ambos unidos sob a negra bandeira de Satanás. Mesmo nos festejos das bodas, o espírito mundano triunfa da consciência, da fé e da verdade. No novo lar não é respeitada a hora da oração. A noiva e o noivo preferiram-se um ao outro e despediram a Jesus.
Opera-se a Mudança no Crente – A princípio talvez o incrédulo não manifeste oposição; quando, porém, é apresentado à sua atenção o assunto da verdade bíblica, para que o considere, ergue-se imediatamente o sentimento: “Você casou comigo sabendo que eu era o que sou; não quero ser incomodado. Daqui em diante fique entendido que são proibidas as conversas sobre seus peculiares pontos de vista”. Caso o crente manifeste qualquer zelo especial com relação a sua fé, pareceria descortês para com aquele que não toma nenhum interesse na vida cristã.
O crente raciocina que, nas novas relações, tem de conceder alguma coisa ao companheiro de sua escolha. São patrocinados entretenimentos sociais, mundanos. A princípio com grande relutância de sentimentos por parte do crente ao fazer isto, mas depois o interesse na verdade vai se tornando cada vez menor, e a fé se transforma em dúvida e incredulidade. Ninguém haveria suspeitado que aquele outrora firme e consciencioso crente e consagrado seguidor de Cristo se pudesse tornar um dia duvidoso, vacilante, como agora é. Oh! A mudança operada por aquele matrimônio imprudente!
Coisa perigosa é formar uma aliança mundana. Bem sabe Satanás que o momento que testemunha o enlace de muitos rapazes e moças, põe um ponto final em sua história religiosa, em sua utilidade nesse sentido. Acham-se perdidos para Cristo. Poderão, por algum tempo, fazer um esforço para viver a vida cristã; todos esses esforços, no entanto, são feitos contra decidida corrente em sentido contrário. Outrora era para eles um privilégio e prazer falar acerca de sua fé e esperança; chegam, porém, a relutar para mencionar tal assunto, sabendo que aquele com quem uniram o destino não tem nenhum interesse no mesmo. Em conseqüência, perece no coração a fé na preciosa verdade, e Satanás tece insidiosamente em torno deles uma rede de cepticismo.
Arriscar os Gozos do Céu – “Podem dois andar juntos se não estiverem de acordo?” “Também vos digo que, se dois de vós concordarem na Terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por Meu Pai que está nos Céus”. Quão estranho, porém, o que se nos depara! Enquanto um daqueles que se acham tão estreitamente unidos está empenhado em devoção, o outro vive indiferente e descuidoso; ao passo que um busca o caminho da vida eterna, o outro segue a estrada larga que conduz à morte.
Centenas de pessoas têm sacrificado a Cristo e ao Céu em conseqüência de haverem desposado um inconverso. Acaso pode ser que o amor e o companheirismo com Cristo seja de tão pouco valor para eles, que preferiram a companhia de pobres mortais? É o Céu tão pouco estimado, que estejam dispostos a arriscar seu gozo por alguém que não sente amor algum para com o precioso Salvador?
Unires-te a um incrédulo é colocares-te no terreno de Satanás. Ofendes o Espírito de Deus e perdes Sua proteção. Podem sujeitar-te a tão terríveis desvantagens na peleja da batalha pela vida eterna?
Pergunta-te a ti mesma: “Não desviará um marido descrente os meus pensamentos de Jesus? Ele é amante dos prazeres mais do que amante de Deus; não me levará a apreciar as coisas de que gosta?” A vereda para a vida eterna é íngreme e escabrosa. Não tomes sobre ti fardos além dos necessários, que retardam o teu progresso.
Um Lar de Onde Nunca se Levantem as Sombras – O coração anela o amor humano, mas esse amor não é bastante forte, ou bastante puro, ou precioso bastante, para suprir o lugar do amor de Jesus. Unicamente em seu Salvador pode a esposa encontrar sabedoria, força e graça para enfrentar os cuidados, responsabilidades e tristezas da vida. Deve constituí-Lo sua força e guia. Que a mulher se entregue a Cristo antes de se entregar a qualquer amigo terreno, e não assuma nenhumas relações que entrem em atrito com isto. Os que encontram a verdadeira felicidade, precisam da bênção dos Céus sobre tudo que possuem e fazem. É a desobediência a Deus que enche de miséria a tantos corações e lares. Minha irmã, a menos que desejes ter um lar onde nunca se levantem as sombras, não te unas com um homem que é inimigo de Deus.
O Raciocínio do cristão – Que deve fazer todo crente quando levado a essa posição probante para a solidez dos princípios religiosos? Com firmeza digna de imitação, ele deve dizer francamente: “Sou um cristão consciencioso. Creio que o sétimo dia da semana é o Sábado bíblico. Nossa fé e princípios são tão diversos que levam a direções opostas. Não nos é possível ser felizes juntos, pois se prossigo em adquirir mais perfeito conhecimento da vontade de Deus, tornar-me-ei mais e mais diferente do mundo, e mais me assemelharei a Cristo. Se você continua a não ver nenhuma beleza em Jesus, nenhuma atração na verdade, amará o mundo, que eu não posso amar, ao passo que eu me deleitarei nas coisas de Deus, a que você não pode Ter amor. As coisas espirituais discernem-se espiritualmente. Sem discernimento espiritual você será incapaz de ver os direitos que Deus tem sobre mim, ou de avaliar minhas obrigações para com o Mestre a quem sirvo; então você achará que o negligencio por causa de meus deveres religiosos. Não se sentirá feliz; terá ciúmes da afeição que consagro a Deus; e sentir-me-ei só em minha crença religiosa. Quando se mudarem seus pontos de vista, quando seu coração atender aos reclamos de Deus, e aprender a amar a meu Salvador, então poderemos reatar nossas relações”.
O crente faz então por Cristo um sacrifício que sua consciência aprovará, e que mostra que ele estima a vida eterna demasiado alto para correr o risco de perdê-la. Sente que melhor lhe é permanecer solteiro do que ligar seus interesses por toda a vida com uma pessoa que prefere o mundo a Jesus, e que o buscaria levar para longe da cruz de Cristo.
Uma Segura Aliança Matrimonial – Só em Cristo é que se pode com segurança entrar para a aliança matrimonial. O amor humano deve fazer derivar do amor divino os seus laços mais íntimos. Só onde Cristo reina é que pode haver afeição profunda, verdadeira, altruísta.
Quando um dos Cônjuges se Converte Depois de Casado – A pessoa que entrou para a relação matrimonial quando ainda não convertida, coloca-se pela sua conversão sob uma obrigação maior de ser fiel à pessoa consorte, por mais que difiram com respeito à fé religiosa; todavia, as exigências de Deus devem ser postas acima de toda a relação terrena, mesmo que provas e perseguições possam ser o resultado. Com espírito de amor e mansidão, esta fidelidade pode Ter influência no sentido de ganhar o descrente.
Ministérios da Família
Igreja Adventista do Sétimo Dia (ASR)